Detectores

Sensibilidade Os detectores de radiação podem ser quânticos, em que os fótons interagem diretamente com os elétrons do detector, como o olho, placa fotográfica, fotomultiplicadora, CCDs (Charge Coupled Devices, detectores de carga acoplada) e fotodiodos, ou térmicos, em que a radiação é detectada pelo aumento de temperatura no sensor, como os bolômetros e os termopares. Embora em geral menos sensíveis que os detectores quânticos, os térmicos têm em geral uma resposta espectral muito mais ampla.

Os detectores no ótico em geral são incoerentes, isto é, só a amplitude da onda eletromagnética é registrada; a informação de fase é perdida. Quando o sinal é adicionado ao de um oscilador local, os sinais são coerentes [Princípio Heteródino = gerando um sinal pela soma de dois sinais de freqüências diferentes (hetero), Reginald Aubrey Fessenden (1866-1932)]. A interferometria em rádio e ótica usa os sinais coerentes. Na interferometria ótica, um sinal de laser é somado à luz dos objetos, gerando uma freqüência de batimento no rádio, onde as técnicas usuais de rádio podem ser utilizadas. Como o diâmetro angular da supergigante Betelgeuse (α Orionis) é de somente 0,047", separação de vários metros entre os telescópios é necessário para medí-lo.

Radiação
FreqüênciaComprimento de OndaBanda
300 MHz1 mrádio
300 GHz1 mmmicroondas
300 THz1 μmIV/óptico
300 PHz1 nm = 10Åraio-X
300 EHz1 pmraio-γ

nano=10-9, pico=10-12, Tera=1012, Peta=1015, Exa=1018
1 eV=1,602×10-19 J
ν=Efóton 2,418×1014 Hz/eV
λ = 12398,42 Å/Efóton(eV)
Efóton = hν = 2,70 kT → ν (GHz) = 20,84 T(K)
kT(eV)=T/11605K

Próxima:Olho Volta: Telescópios Anterior: Astrometria

Volta Astronomia e Astrofísica


©
Modificada em 22 abril 2011