Teoria das Aberrações Óticas

paraxial
Aberrações são desvios de um sistema ótico das previsões da ótica paraxial (válida para ângulos pequenos em relação ao eixo de referência do sistema) [Johann Carl Friedrich Gauss (1777-1855), Dioptrische Untersuchungen, Göttingen, 1841] produzindo borramento da imagem, já que cada ponto do objeto não converge para um único ponto da imagem. As aberrações se dividem em monocromáticas, ou geométricas, e cromáticas, causadas por dispersão, isto é, pela variação do índice de refração com o comprimento de onda.

A ótica ativa consiste no ajuste do espelho primário em baixa freqüência, de escalas de tempo da ordem de segundos, para corrigir distorções causadas pela ação da gravidade e gradientes de temperaturas.

Adaptativa A ótica adaptativa consiste no ajuste do secundário ou terciário (deformáveis, corretores de fase) em alta freqüência, de 50 Hz a 10 mil Hz, para compensar em tempo real as deformações introduzidas no feixe pela atmosfera da Terra. Os espelhos deformáveis têm centenas de pequenos pistões (atuadores), acionados eletrônicamente, que ajustam a altura da superfície refletora por alguns mícrons em alguns microsegundos, retardando ou adiantando da radiação naquele ponto.

Distribuição de estrelas Uma estrela de magnitude visual V = 0 tem um fluxo observado de $ F_\lambda$ =3,69 ×109 erg cm-2 s-1 Å-1 que corresponde a cerca de 1000 fótons cm-2 s-1 Å-1. Para ótica adaptativa, precisamos detectar fótons em vários píxeis do detector de frente de onda a cada exposição de milésimos de segundos, mas existem poucas estrelas tão brilhantes no céu, principalmente dentro do campo de alguns minutos de arco de um telescópio de grande porte [John Norris Bahcall (1934-2005) & Raymond M. Soneira (1980) Astrophysical Journal Supplement Series, 44, 73] Nos telescópios de 8 a 10 m atuais, somente estrelas mais brilhantes que R=15 podem ser usadas como estrelas de referência e somente cerca de 5% do céu tem estrelas tão brilhantes próximas.
Por isto faz-se necessário criar estrelas artificais com lasers, que atingem uma altura de 90 a 100 quilômetros, na mesosfera, for fluorescência de átomos de sódio, não podendo corrigir os efeitos da alta atmosfera.

Como a fonte é observada superposta à luz espalhada de fontes terrestres, da luz das estrelas e da Lua, emissão difusa da Galáxia, luz zodiacal, etc, podemos aumentar a razão sinal-ruído da fonte simplesmente diminuindo o tamanho da imagem, pois isto diminui a quantidade de píxeis com ruído que precisam ser somados para medir a fonte.

Função de Espalhamento Puntual (Point Spread Function)

Disco de Airy A imagem produzida por um telescópio em geral não é ideal, isto é, não segue um disco de difração (de Airy), devido à turbulência atmosférica, degradando a resolução. A refração pelas células da atmosfera é maior do que o limite de difração, em geral. O disco de Airy é definido como o disco até o primeiro mínimo do padrão de interferência por difração. A Função de Espalhamento Puntual (Point Spread Function, PSF) é a função que descreve a distribuição de luz produzida por uma imagem puntual, no plano da imagem, e sua largura mede a resolução real da imagem. No limite de difração,
$P(\vec{r}) = \frac{\pi D^2}{4 \lambda^2}
[\frac{2J_1(\pi D\vert\vec{r}\vert/\lambda)}{\pi D\vert\vec{r}\vert/\lambda)}]^2
\eqno{1}$
onde P(r) é a intensidade no ponto r, J1 é a função de Bessel de primeira ordem, J1(x)=x/2-x3/(231!2!)+x5/(252!3!)+..., λ o comprimento de onda e D o diâmetro do telescópio.

Desta forma, P(r) é zero ou atinge um máximo de acordo com os zeros e máximos da função de Bessel J1. Os primeiros zeros ocorrem para θ=1,220λ/D, 2,233λ/D e 3,238λ/D. Quando o centro do disco de Airy de uma fonte se sobrepõe ao primeiro mínimo de outra fonte, obtemos o critério de Rayleigh para a resolução.

A atmosfera preserva o fluxo total do objeto, mas distribui a energia diferentemente entre os píxeis. Se a PSF [P(r)] tem a mesma forma sobre todo o campo da imagem, chamamos esta condição de isoplanática. Isto não ocorre em geral, principalmente com a aplicação da ótica adaptativa, e a equação da imagem só é aplicável a parte da imagem.
As aberrações são medidas pelo sensor de frente de onda, em tempo real, que mede a estrela de referência, que pode ser uma estrela natural ou uma estrela artificial criada na alta atmosfera por um laser. Laser no Gemini O algorítmo de controle usa a aberração medida em tempo real para calcular as deformações que produziriam uma imagem sem qualquer aberração. A luz do objeto científico também é corrigida pelo espelho deformável, mas direcionada para a câmara científica.

Urano no Keck Imagem de Urano no Observatório Keck, com telescópio de 10 m de diâmetro, de Urano, sem ótica adaptativa (esquerda) e com ótica adaptiva (direita).
A correção adaptativa de mais baixa ordem corresponde a inclinar e mover (tip-tilt), corrigindo as inclinações da frente de onda em duas dimensões (deslocamento de posição e ângulo). Esta correção é feita movendo rapidamente o espelho de tip-tilt que faz pequenas rotações em seus dois eixos. Estes movimentos corrigem significativamente as aberrações introduzidas pela atmosfera.
CFHT
Ótica ativa no CFHT.

Refração

A refração da luz foi estudada em 1621 pelo matemático e físico holandês Willebrord Snell (1591-1626) e descrita pelo filósofo francês René Descartes (1596-1650) no seu livro Dioptrics de 1637. Se um feixe em um meio de índice de refração n incide com um ângulo i em uma superfície de um meio de índice de refração n′, o feixe emergente neste meio terá um ângulo i′ dado pela lei de refração de Snell-Descartes:
n sen(i)=n′ sen(i′)
Frente de Onda
Definindo uma frente de onda geométrica como aquela superfície em que a fase da luz é constante [Pierre de Fermat (1601-1665)], se a frente de onda emergente não for perfeitamente esférica, o erro de fase é uma medida das aberrações geométricas do sistema ótico.
Frente de Onda

Qualquer superfície z pode ser descrita numa expansão polinomial:

z = ao+ a1y+ a2y2+ a3y3+ a4y4+ ...
Se definirmos a superfície como centrada em z=0:
z = a1y+ a2y2+ a3y3+ a4y4+ ...
e se a superfície for simétrica em relação ao eixo z=0, somente os termos pares (simétricos) serão não nulos:
z = a2y2+ a4y4+ a6y6+ ...
A ótica gaussiana (paraxial) é por definição parabólica, de modo que o termo z = a2y2 define uma ótica gaussiana.

Podemos também expandir os senos em séries de Taylor:

sen(i) = i - i3/3!- i5/5! - ...
e definir a expansão em primeira ordem da Lei de Snell-Descartes como:
n i = n′i′
que é a forma paraxial (ângulos pequenos) da lei. Qualquer desvio da aproximação de Gauss é chamada de aberração.

difracao Quando a luz de comprimento de onda λ passa por uma abertura, como o espelho primário de um telescópio de diâmetro D, ela sofre difração e os máximos da luz difratada ocorrem para ângulos θmáximo tais que:

D sen(θmáximo)=|n|λ,     n=0,1,2,3,...
como encontrado empiricamente por Thomas Young (1773-1809), em 1801, e Joseph von Fraunhofer (1787-1826). Se a luz incide com um ângulo i, a relação se torna
D[sen(θmáximo)+sen(i)]=|n|λ,     n=0,1,2,3,...
que é chamada equação de rede de difração de Fraunhofer.
Difracao Strehl
A razão Strehl é a razão entre a intensidade máxima observada no plano do telescópio de uma fonte puntual, comparada com a intensidade teórica máxima de um sistema perfeito no limite de difração, definido por Karl Strehl (1864-1940) [1895, Aplanatische und fehlerhafte Abbildung im Fernrohr, Zeitschrift für Instrumentenkunde, 15 (Oct.), 362-370 e 1902, Über Luftschlieren und Zonenfehler, Zeitschrift für Instrumentenkunde, 22 (July), 213-217]. Na tabela são listadas as aberrações que resultam em uma razão de intensidades Strehl de 80%, para uma fonte puntual, não coerente e sem vinhetamento.
Redução no Strehl
Redução na razão Strehl por aberração. A imagem e linha (PSF = point spread function, função de espalhamento de imagem à esquerda) mais alta correspondem a imagem sem aberração, a seguinte com Strehl de 0,8 e a mais baixa com o dobro desta aberração, Strehl de 0,4. O gráfico à direita mostra o contraste (área comum normalizada de dois círculos separados por ν), de Telescope Optics.
Como a turbulência atmosférica varia de célula para célula (raio de coerência de Fried), as perturbações de fase diferem de uma célula para outra, e a compensação calculada na direção de estrela de referência se degrada em outras direções. Para a ótica adaptativa utilizada atualmente nos telescópios no Chile e em Mauna Kea, o ângulo isoplanático, definido como o ângulo a partir da estrela de referência em que a razão de Strehl cai por 50%, é da ordem de 20" em J (1,2 μm), a 40" em K (2,2 μm).

GEMS GEMS Orion
Laser multiconjudado no Gemini sul e imagem da nebulosa de Órion obtida com o GEMS (sistema de ótica ativa multiconjudaga) do telescópio Gemini sul.
O Gemini Sul lançou em 2011 um laser de 589 nm gerando pela primeira vez 5 estrelas a 90 km de altura, excitando íons de sódio (Gemini Multiconjugate Adaptative Optics), com o objetivo de atingir um campo isoplanático de um alguns minutos de arco, já que diferentes sensores de onda permitirão uma correção integrada, utilizando-se mais de um espelhos deformáveis. Note um ganho de um fator de 2× na PSF (seeing) significa um fator de 4× na concentração da luz captada de uma fonte puntual, ou 0,75 magnitude no ganho. Note também que galáxias com z>1 podem ser consideradas como puntuais, já que têm cerca de 0,2", independente de z.

Em 1934, o físico holandês Frits Zernike (1888-1966), ganhador do prêmio Nobel de 1953 por sua invenção do microscópio de contraste de fase, propôs a decomposição em polinômios de Zernike, um conjunto ortogonal que permite a separação clara dos diversos efeitos de aberração.

Os polinômios pares são dados por

Polinomios de Zernike
os ímpares por

Polinomios de Zernike
com a parte radial dada por

Polinomios de Zernike se n-m é par, e

zero se n-m é impar, onde m e n são inteiros não negativos, com m>n, φ o ângulo azimutal em radianos, e ρ a coordenada radial normalizada.

Zernike Zernike


Zernike Zernike

Tutorial sobre ótica adaptativa de Andrei Tokovin, do CTIO
SAM SAM (SOAR Adaptive Module) - Módulo de ótica adaptativa do Soar, desenvolvido por Andrei Tokovin. Imagem do sistema triplo I385 (HIP 85216) com duas componentes a 0,39 e 0,26 segundos de arco, obtida em 2 de outubro de 2009, na banda I. A resolução é da ordem de 0,1 segundos de arco.
sensor de frente de onda Um sensor de frente de onda conhecido como Shack-Hartmann (Johannes Franz Hartmann (1865-1936), 1900, Bemerkungen über den Bau und die Justirung von Spektrographen. Zeitung Instrumentenkd, 20, 47; Roland V. Shack & Ben C. Platt, 1971, Production and use of a lenticular Hartmann screen, Journal of the Optical Society of America, 61, 656) utiliza um conjunto de pequenas lentes com inclinações diferentes para projetar uma imagem em um CCD e permitir a medida dos deslocamentos da frente da onda.

Matematicamente, a imagem observada é a convolução da imagem original, Io, com a função que descreve a distorção atmosférica (Φ):

I(x,y) = ∑i,j Io (i,j) Φ(x+i,y+j)

Tutorial de Andrei A. Tokovinin (CTIO) sobre ótica adaptativa
Páginas do Gemini sobre ótica adaptativa.

Página, em inglês, sobre aberrações óticas.
Página sobre ótica adaptativa multiconjugada do Gemini


next up previous
Próxima: Detectores Volta: Astrometria Anterior: Telescópios
©
Modificada em 13 mar 2013